sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Caminho das Índias

A trama de Glória Perez promete servir de inspiração para a moda, e algumas peças da Índia podem dar um toque diferenciado à mistura brasileira. Entre os looks apresentados, um dos que mais despertam curiosidade é o composto pelo sári.Trata-se de um pedaço de pano, que mede tradicionalmente cinco metros de comprimento (mas pode ser encontrado de quatro a seis metros) e cerca de 1,5 metro de largura.
Não conta com botões, zíperes ou qualquer outro apetrecho usado na costura ocidental. Entre os tecidos estão o algodão e a seda.O sári é enrolado no corpo da mulher e forma uma espécie de vestido - bem exótico, por sinal. Cada região da Índia tem uma maneira de vesti-lo e é preciso certa habilidade para conquistar o resultado esperado.As indianas o dobram para formar pregas na parte da frente, o que o deixa mais soltinho. É preso com um alfinete ou broche no ombro, e o que sobra do tecido pode ser jogado na cabeça ou no outro ombro.A vestimenta é composta por mais duas peças. Embaixo do sári, usa-se o choli (blusa curta para cobrir o busto) e uma espécie de saia/anágua, em que se prende uma das pontas do pano.Não há registros precisos sobre a data de origem do traje, mas o costume acompanha a tradição milenar indiana. Enquanto jovens de lá já circulam com calças jeans, será que é possível o sári ganhar espaço no guarda-roupa das brasileiras?De acordo com a professora de moda Juliana Verri, da Escola de Moda Sigbol Fashion, sim. Mas, é claro, com algumas adaptações. "Com um pedaço de pano menor, pode-se fazer minivestidos ou blusas, que combinam com calça legging, por exemplo".Quem não se sente à vontade para vestir a peça no dia-a-dia, mas se encantou com seu requinte, tem chance de entrar no clima indiano em festas temáticas ou no Carnaval.
O sári também confere um toque especial à decoração da casa quando usado na fabricação de cortinas e almofadas, por exemplo.Cores neutras não combinam com a ÍndiaCores vivas e marcantes não faltam nas produções indianas. O sári ganha destaque com o pink, salmão, azul, azul-cobalto, amarelo, marrom, ocre, vermelho e verde-grama. É incrementado com bordados, estampas, pedrarias e lantejoulas.Enquanto as ocidentais apostam no pretinho básico para não errar, essa cor não é bem-vinda na Índia, por significar mau agouro e luto. Outra diferença é que as brasileiras sonham com o vestido de noiva branco e lá elas não querem nem saber da cor. "Roupa branca é para viúva. Hoje, muitas viúvas já não seguem essa tradição", explica a indiana Ratnabali Adhikar, 53, que está no Brasil há 30 anos.A musicista e cantora Ratnabali, que é consultora da novela Caminho das Índias, conta que o casamento pede roupas mais trabalhadas e em tons de vermelho. "Representa o amor e a paixão. Eu me casei há 35 anos na Índia e usei um sári vermelho puxado para o rosa".A trama já apresentou os trajes de uma noiva nas cenas do casamento de Rani (Brendha Haddad) e Komal (Ricardo Tozzi).
Quem as perdeu ainda pode conferir a protagonista Maya, vivida por Juliana Paes, pronta para casar, na próxima quarta-feira, dia 11. No dia 12, atores de Malhação se apresentam no Vídeo Show também vestidos de indianos.Modelitos à brasileiraAlgumas peças com inspirações indianas combinam mais com as preferências brasileiras e devem virar moda. A túnica, que costuma fazer parte do visual de Juliana Paes no folhetim, é uma boa pedida para todos os tipos físicos, como explica Tatiana Putti, coordenadora da área de moda do Senac/SP. "Por ser mais leve, não mostra nem se é muito magra ou gordinha. É uma ótima peça para não marcar o corpo". Vale lembrar que os modelos mais compridos pedem alguns cuidados se usados por mulheres baixas. "Prefira túnicas com fendas laterais, use salto e aposte em calças que acompanham a silhueta, como legging e cigarrete", orienta a especialista Tatiana. Outra dica é usar peças mais curtas, como vestido.A calça saruel, muito vista nos últimos desfiles de moda brasileiros, ganha um pouco mais de destaque.
"A novela vai dar uma empurrada na tendência, mas não é a preferência da mulher brasileira por não marcar a silhueta", opina a coordenadora do Senac. A peça de origem oriental é uma espécie de saia-calça, com gancho grande e baixo. "É boa para quem quer disfarçar culote e coxa grossa". Se optar por modelos mais coloridos, componha o visual com blusas básicas.As batas, que faziam parte do visual dos hippies nas décadas de 1960 e 1970, caem bem com calça jeans. O oriental caftã, que também foi moda nesse período, não fica de fora da lista de promessas e combina com sandálias rasteiras.Estampas e acessórios são detalhes que sobressaemMuito mais que trazer colorido às roupas brasileiras, o destaque dado à Índia deve colaborar com a variedade de estampas. "As imagens dos deuses do hinduísmo (religião mais difundida na Índia) vão tomar conta das peças", conta a professora de moda Juliana Verri.Muitos acessórios complementam o visual das indianas. A professora Juliana aposta nos braceletes. Até mesmo o bindi, o famoso terceiro olho, deve fazer parte do look das mais modernas e antenadas. A peça é repleta de simbolismos e um deles é ampliar o sexto sentido feminino.
E vc vai aderir á moda??
Bjs

Um comentário:

Aline disse...

Ai Alineeee tava obvio que varias coisas que fazem parte do look das atrizes na novela vao virar moda né....
Vamos ver ainda nao sei se vou aderir à alguns deles hehehe acho tudo muito lindo mas nao sei se usaria!! hehe

beijos